faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

arquitetura-corpo-bombeiro-11.jpg

7 projetos de quartéis de Corpo de Bombeiros pelo mundo

De Levis no Canadá a Antuérpia na Bélgica, passando por São Paulo, selecionamos sete projetos arquitetônicos de unidades de operacionais de Corpo de Bombeiros.

Na sua forma mais simples, uma estação de bombeiros compreende pouco mais do que uma habitação com uma garagem de grandes dimensões. Na sua forma mais complexa, encarna os valores de sua comunidade e funciona como uma máquina altamente técnica para respostas de emergência. Reunimos sete projetos arquitetônicos de unidades de operacionais de Corpo de Bombeiros pelo mundo. Confira!

1. Seção de Combate a Incêndio – GRU | Projeto: MM18 Arquitetura
Guarulhos, São Paulo

arquitetura-corpo-bombeiro-01.jpg
Foto: Pedro Vannucchi

Maior aeroporto em movimento do Hemisfério Sul, por onde passam cerca de 40 milhões de passageiros por ano, o Aeroporto de Guarulhos opera em nível de prevenção contra incêndio categoria 10 - o maior nível previsto em âmbito mundial.

arquitetura-corpo-bombeiro-02.jpg
Foto: Pedro Vannucchi

O programa conta com sala de estudos, biblioteca, escritório, academia, área de descanso, refeitório, estacionamento para todos os caminhões dos bombeiros, uma torre e um pátio central onde os bombeiros fazem treinos ao ar livre, também disponível para primeiros socorros. O projeto teve rápida execução, é todo feito em estrutura metálica e fechado em placa cimentícia, com destaque para a cor vermelha nos pisos e paredes, e também previu uma rua nova entre o prédio e o aeroporto, resolvendo os fluxos.

2. Estação de Bombeiros BOCA | Projeto: Taller DIEZ 05
Boca Del Río, México

arquitetura-corpo-bombeiro-03.jpg
Foto: Luis Gordoa

A estratégia principal do projeto parte de organizar corretamente as atividades no imóvel de forma irregular liberando praticamente todo o térreo para manobra de veículos. 

arquitetura-corpo-bombeiro-04.jpg
Foto: Luis Gordoa

A parte elevada, uma espécie de "caixa", abriga as atividades próprias da estação - hall, descanso e espera. Aberturas permitem ventilação para as áreas de trabalho, considerado as condições climáticas próprias da região do Golfo do México.

arquitetura-corpo-bombeiro-05.jpg
Foto: Luis Gordoa

Um brise pré-fabricado em grande escala que permite matizar as condições de insolação e ventilação. A área de operação e acesso é coberta com um talude vegetal ao longo de todo o perímetro, criando uma espécie de parque inclinado que procura amortecer a escala do edifício a respeito das atividades próprias da rua; além disso, esse gesto permite liberar a planta superior do edifício formando um "elemento suspenso", uma embarcação flutuando nesse meio urbano.

3. Quartel de Bombeiros em Chamonix-Mont Blanc Valley | Projeto:  Studio Gardoni Architectures
Chamonix, França

arquitetura-corpo-bombeiro-06.jpg
Foto: Jerome Ricolleau

O conceito arquitetônico do edifício é alcançar a invisibilidade: mais precisamente, pretende-se camuflar o impacto de um quartel de bombeiros, em um cruzamento de diversas vias de trânsito.

arquitetura-corpo-bombeiro-08.jpg
Foto: Luis Gordoa

Os elementos centrais do edifício tiveram que ser mais compactos e construídos no subsolo. A natureza cobre, tanto a cobertura, quanto a estrutura. As fundações de gabião são compostas de rochas locais.

arquitetura-corpo-bombeiro-07.jpg
Foto: Luis Gordoa

O cobre presente na fachada é um revestimento que passa por uma lenta mutação: uma vez instalado, ele muda sua tonalidade, indo do ouro ao marrom. Este material reflete os picos dos arredores, transforma o local, e se transfigura pela mudança na luz diurna e pelo movimento das nuvens.

4. Posto de Bombeiros #5 | Projeto:  STGM Architectes + CCM2 Architectes
Levis, Canadá

arquitetura-corpo-bombeiro-09.jpg
Foto: Stéphane Groleau

O posto do corpo de bombeiros possui 1500 m² de área e abriga oito caminhões. O conceito desenvolvido pelos arquitetos começou com uma divisão das funções da estação, que pode ser vista pelas diferentes alturas do volume entre a garagem e os espaços habitáveis.

arquitetura-corpo-bombeiro-10.jpg
Foto: Stéphane Groleau

O edifício é simples em sua forma e nos materiais utilizados, com revestimento de alumínio preto e superfícies de vidro. As entradas são marcadas por pequenas caixas de madeira que continuam dentro da estação de bombeiros. Estas caixas são reduzidas em contraste com o resto do edifício para aproximá-lo da escala humana.

arquitetura-corpo-bombeiro-11.jpg
Foto: Stéphane Groleau

O interior foi projetado para maximizar os espaços de trabalho e espaços de vida. A garagem tem uma abundância de janelas que proporcionam luz natural agradável e vistas do entorno rural. Os escritórios e salas de conferências estão na parte dianteira, enquanto o salão e a cozinha estão na parte posterior do edifício para maior intimidade. O interior, com suas superfícies brancas, possui um efeito tranquilizador.

5. Estação de Bombeiros 76 | Projeto:  Hennebery Eddy Architects
Gresham Estados Unidos

arquitetura-corpo-bombeiro-12.jpg
Foto: Josh Partee

A Estação de Bombeiros 76 serve uma comunidade de agricultores familiares na região de Gresham (EUA).  A beleza evidente do ambiente rural repleta de edifícios agrícolas texturizados com materiais simples como madeira e metal, forneceu a inspiração para o conceito do edifício. O foco funcional da estação: o fogo - um elemento de beleza e destruição - orientou o tratamento dos materiais. Utilizamos madeira recuperada a de um celeiro próximo.

arquitetura-corpo-bombeiro-13.jpg
Foto: Stéphane Groleau

O projeto incluiu o tratamento da superfície da madeira com uma técnica tradicional japonesa chamada Shou Sugi Ban, no qual a madeira é queimada, e essa queimadura oferece proteção contra a umidade e insetos, além de transformar a maneira destrutiva do fogo em uma imagem de beleza. A estação se divide em dois volumes: uma baía abobadada, chapeada com metais, e uma área alojamentos de baixa altura e com uma pele de madeira. Os alojamentos se voltam para as montanhas, enquanto o metal de cor leve da abóbada se volta para a estrada, apresentando ao público a característica mais reconhecível de uma estação de bombeiros, as mangueiras e os tanques de água. 

6. Estação do Corpo de Bombeiros de Vitra | Projeto: Zaha Hadid Architects
Weil Am Rhein, Alemanha

arquitetura-corpo-bombeiro-16.jpg
Foto: Wojtek Gurak

Concluído em 1993, o corpo de bombeiros Vitra foi o primeiro projeto construído de Zaha Hadid em sua carreira, que acabaria por lançar seu nome e estilo ao público internacional.

arquitetura-corpo-bombeiro-17.jpg
Foto: Wojtek Gurak

A edificação é uma composição de planos de concreto que se dobram, inclinam-se e quebram-se de acordo com as forças dinâmicas conceituais que conectam paisagem e arquitetura. O edifício é pensado como um movimento congelado, aumentando o dinamismo das forças utilizadas para criar a estética formal, suspensa em um estado de tensão e criando uma sensação de instabilidade.

7. Posto de Bombeiros Berendrecht | Projeto:  Bovenbouw
Antuérpia, Bélgica

arquitetura-corpo-bombeiro-14.jpg
Foto: Filip Dujardin

Um posto de bombeiro em um lote triangular localizados próximo ao porto na região da Antuérpia (Bélgica). Sobre os dois pavimentos utilitários há um piso interno com uma sala de estar, cozinha, academia, dormitórios e um campo de esportes ao ar livre, dispostos ao redor de um pátio.

arquitetura-corpo-bombeiro-15.jpg
Foto: Wojtek Gurak

O campo, localizado na esquina do edifício, é coberto por um revestimento de madeira semi-transparente e mantém o contato com o exterior. Uma escada aberta relaciona o pavimento interno com os dois pavimentos inferiores.

Não perca notícias como esta, siga o ARQ+ Smart Construction também no Linkedin e Instagram.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar